segunda-feira, maio 30, 2005

LOVE ME OUI NO

Lisboa acorda com o não francês. Na TSF dizem que foi um tiro nos pés. Não na Europa. A França anda deprimida. Sem identidade. O não francês, evento singular, anuncia que algo vai mudar. Seguem-se outros: Holanda, Inglaterra, ….Uns dizem-nos que é tempo para começar de zero, outros, que agora é tempo de pensar, outros ainda que isto faz parte da vida. A vida é sempre feita de avanços e recuos. Amanhã, sairá a público o relatório International Events – a classificatory analysis.
Algumas conclusões sobre Portugal:

45% dos portugueses não têm qualquer tipo de contacto com os pais durante 250 dias por ano;
89% dos portugueses não confiam nos três principais colegas de trabalho com quem mais se relacionam diariamente;
77% dos portugueses seriam incapazes de adoptar uma criança não branca;
91% dos portugueses apenas conseguem guardar um segredo durante 4 horas;
88% dos portugueses não consegue abraçar um amigo em público;
6% dos portugueses acredita na ajuda dos outros em situações imprevistas (eventos do tipo, p.e., furo no pneu, desmaio na rua; falta de trocos.)
3% dos portugueses conseguiram ler um livro por completo num período de tempo igual ou inferior a 18 meses;
95% dos portugueses não conseguem chegar a horas a um encontro;
75% dos jovens portugueses com idade entre os 4 e os 12 anos não conhecem o significado da palavra “pião”;
92% dos portugueses já tiveram motivos para mudarem de emprego;
4 em cada 5 portugueses consideram um erro a sua opção profissional;
8 em cada 10 portugueses que desenvolveram qualquer actividade governativa consideram que o seu desempenho foi competente;
96% dos portugueses afirma que o evento de “escarrar para o chão” é um traço da identidade nacional;
86% das mulheres portuguesas, entre os 15 e os 35 anos, refere que o principal evento das suas vidas foi ter “nascido” mulher;
2% dos portugueses revêem-se nas conclusões deste estudo.