sexta-feira, fevereiro 11, 2005

POLITIcs

A nespera nunca gostou da ameixa. Dizia que sim. Fazia que não. Uma e outra. A ameixa nunca gostou da nespera. Dizia que não. Fazia que sim. Outra e uma. Houve um dia em que as pessoas pegaram em paus e latas vazias de sumo barato e, sem pedir nada, nem sequer uma autorização por escrito, MATARAM todas quantas pareciam existir no meu país. Frutiscídio feliz. Os porcos agradeceram as calorias. Houve quem, ao que julgo saber, ainda chorou por tão verdadeiros frutos. Esses foram mortos por um conjunto de velhas que viveram com 1 litro de azeite, ao que dizem, durante 5 anos. O peso das dentaduras foi fatal. Principlmente a comida acumulada durante esses anos. Nem ameixa, nem nespera. O país acordou feliz. Nunca mais ninguém soube o nome desses frutos. Melancias era o fruto da época!