sexta-feira, janeiro 28, 2005

RAZIA

Julinha todos os dias, por volta das 3 da noite, emitia o seu traque. Como a coisa ficou conhecida, Julinha todos os dias, recebia um email do mundo inteiro. Sociólogos, psicólogos, economistas, juristas e tantos outros começaram a pensar que o fenómeno podia ter sucesso. Criou-se a Associação Nacional do Traque, a respectiva liga dos Amigos e ficou ainda desbloqueada uma linha financeira de apoio a todos aqueles que sofriam com a certeza da Julinha todos os dias. A propagação ía por aí fora num raio de mais de 10 Km. A Agência Internacional para o Nuclear enviou investigadores para retirarem amostras da moça e realizarem respectivas análises. O Ministério da Defesa pensou que a coisa podia ser utilizada em campanha. Julinha todos os dias não chegou a ver todos os desenvolvimentos da sociedade. Carlos, no seu primeiro voo, matou-a. Era de noite.